MAIORIDADE PENAL

              

E ai galerinha #maravilhosa, estamos de volta com nossa página, mas agora de uma forma diferente, mas como Danilinho?

Então a partir de agora, traremos em forma de áudio uma discussão entre jovens sobre alguns temas no qual serão postadas as opiniões de cada jovem participante. Vão ser temas diretamente ligado aos jovens e temas abertos a todos para comentar e apresentar a opinião de todos, a maior intenção e proporcionar diversos pontos de vistas, relacionados as diversas maneiras e situações em que vivemos.

               Hoje o tema será: “MAIORIDADE PENAL”

               Recentemente dia 17/06 foi aprovada a lei da redução da maioridade penal aos 16 para crimes hediondos e em pesquisa pude perceber diversas opiniões. Mas e os jovens o que pensam, como eles observam essa medida?

               Os convidados dessa sexta foram. Cleany Sacramento, 20 anos; Esther Caroline, 18 anos; Jacqueline 20 anos e Danilo César 23 anos. Foram preparadas algumas perguntas e logo abaixo das perguntas a opinião de cada um. Lembrando que só são opiniões e cada um tem a sua, fiquem à vontade para compartilhar a opinião de vocês nos comentários!


                 Jacqueline – “A favor da maioridade penal”



                 Esther - “Contra a maioridade penal”



                 Danilo – “A prisão educa?”



                 Cleany - “Leis mais pesadas diminuem a criminalidade?”





Pessoal, não esqueçam, são apenas opiniões. Fiquem à vontade para expressar sua opinião logo abaixo. 

12 comentários:

  1. Concordo plenamente com Jacqueline, não há motivos reais para ser contra a redução da maioridade penal, explico comentando as opiniões dos outros.

    Esther: Os jovens precisam de fato serem educados, mas para evitar que novos crimes sejam cometidos, os que já roubam, matam e estupram precisam ser primeiramente afastados da sociedade, para só depois termos que falar em socialização. O "modo de represália" dentro de casa não justifica deixar um bandido solto, e quem ensina o filho a matar ou roubar também é um bandido que deve ser punido (mas convenhamos, quantos são os que se tornam criminosos por conta da família? A maioria dos criminosos geralmente entram para essa vida após viver as terríveis consequências de não ter uma família bem estruturada, que lhe dê amor e ensino moral). Não há "acompanhamento social" melhor que uma boa família, mas a sociedade não deve pagar pelos que infelizmente não tem essa condição e, independentemente disso, cometer crimes é uma questão de ESCOLHA, e todos devem pagar por seus atos, isso não quer dizer que as pessoas não são influenciadas pelo ambiente cultural e condição social em que vivem, mas apenas que quando se opta pelo mundo do crime as pessoas devem sentir as consequências disso.

    Hoje, numa sociedade em que impera a impunidade, o cidadão sem uma forte base moral vai avaliar o "custo-benefício" de ser bandido e concluir que é um "negócio lucrativo"! Afinal, 92% dos assassinatos não são solucionados, num país que reúne 10% dos assassinatos de todo o mundo (mais de 55 mil por ano), fora os mais de 50 mil estupros por ano e quem sabe lá quantos roubos. Quanto aos menores nem se fala, uma rápida pesquisa e você vai achar inúmeros casos de menores que não estão nem aí para serem pegos, pois não chegam nem a passar 3 anos nas "casas de ressocialização" e logo são soltos, você vai achar facilmente casos de menores que passaram 10, 20, 40 vezes por esses lugares e continuam bandidos. É por conta da não-redução da maioridade, por exemplo, que os 5 adolescentes que estupraram e mataram uma menina recentemente no Piauí estarão soltos em 2018, prontos para voltarem ao mundo do crime. Você acha mesmo que educação vai fazer com que um destes criminosos deixem de roubar, de matar etc? E qual educação? Bandido rico, por exemplo, um político corrupto, não teve educação?

    Lembro da situação da família dos meus avós no interior da Bahia, até relativamente pouco tempo (uns 20, 30 anos) praticamente não havia criminalidade, as pessoas podiam dormir tranquilamente de portas abertas, e nada tinha a ver com a condição social, pois a condição geral das pessoas era a pobreza típica do seco sertão nordestino, mas em compensação todos eram grandes fiéis católicos, quando digo todos não falo só da minha família, mas era fato que o catolicismo era a religião amplamente difundida no interior, nem protestantes tinha direito por lá. Crime nunca será consequência das condições sociais, estas cada vez melhoram (talvez não agora com a crise brasileira), mas a criminalidade aumenta e vai continuar aumentando. Indo direto ao ponto: o problema da bandidagem é a falta de uma educação moral e essa não vai vir dos "intelectuais" das universidades, da mídia ou dos políticos que vivem militando em favor dos bandidos, pois é comum que estes mesmos sejam ateus e defensores de ideologias anticristãs, como o socialismo. Ensino moral não é dever do Estado, mas da família. O que a sociedade de hoje precisa é de mais cristãos e de mais famílias bem estruturadas. Não me espanta em nada que este mundo cada vez mais sem Deus esteja cada vez mais violento.

    ResponderExcluir
  2. Danilo: Prisão não educa, e não é obrigação da prisão educar mesmo não. Prisão é o local para onde são levados os bandidos que a sociedade não aguenta mais lidar. De fato o sistema prisional é precário, mas antes devemos nos preocupar com o cidadão de bem que hoje está a mercê da bandidagem. De fato o país precisa de mais educação, de mais desenvolvimento, de um sistema prisional voltado a uma real ressocialização, mas antes de tudo, com os números de crimes que não é segredo pra ninguém, o que também precisamos é de MAIS PRISÕES! E como falei antes, acima de tudo precisamos de mais católicos!

    Cleany: Onde você conseguiu essa informação inicial? Pois parece furada (e ao final coloco um artigo de um especialista com conclusão totalmente diferente), afinal aqui há uma simples questão de lógica: por exemplo, o estuprador que citei antes, em 2018 ele estará solto e, quase de certeza, voltará a estuprar outras garotas. Se ele passasse 30 anos na cadeia, ele não estupraria outras meninas nas próximas três décadas. Ponto. O mesmo vale para quaisquer outros crimes. Mas é preciso dizer: o objetivo geral da redução da maioridade penal NÃO É reduzir a violência, como se isso fosse uma solução final para este problema, mas simplesmente uma dentre várias medidas necessárias que aí sim poderia reduzir a criminalidade (penas mais duras, mais policiamento, mais evangelização, fim do estatuto do desarmamento etc). E de onde tirou que reduzir a maioridade penal é "negar direitos a jovens e crianças"? Estamos falamos de criminosos maiores de 16 anos e a lei que está em votação se refere apenas a crimes hediondos (estupro, latrocínio, lesão seguida de morte, homicídio doloso etc) e não de simples e inocentes crianças. E o que você quis dizer com "que já tem em sua história um histórico de negações". O que seriam essas negações? Quem é o responsável por essas negações? Por favor diga que não está reproduzindo a ideia socialista de quê uma pessoa se torna bandido por culpa da sociedade. Você diz que "se privar a liberdade de alguém fosse coibidor as cadeias não estariam superlotadas", mas é óbvio que se estão presos não estão soltos e ferindo as pessoas de bem, mais uma vez, o problema da superlotações é porque temos poucas cadeias!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As fontes da pesquisa de Cleany:
      Brasil Post
      Pragmatismo Politico
      Just.brasil
      Estadão

      Excluir
    2. Outras fontes
      http://www.revistaforum.com.br/blog/2014/01/na-prisao-tudo-e-mediado-pela-violencia/

      http://www.onofreribeiro.com.br/site/mostra.php?artigo=2874

      http://www.ebc.com.br/cidadania/2015/05/reducao-da-maioridade-penal-pros-e-contras

      Excluir
    3. E ae, Danilinho, vlw! Mas nenhum dos links postados apresenta dados estatísticos que provem isso, só reforçam os argumentos que eu já refutei. O entrevistado no primeiro, apesar da visão extremamente ideologizada (e certamente é por isso que está na Revista Fórum, um site 100% socialista-petista), confessa: "Educação não faz milagres." Não faz, nem fará, quem faz milagres é Deus e o problema continua sendo moral.

      O artigo do segundo é ainda mais delirante, num país em que não se pegam os autores de 92% dos assassinatos ele vem falar que "o ideal era prender menos pessoas"! Seria o ideal se essas pessoas não fossem criminosas... Ele apenas reforça a ideia absurda de que criminalidade é gerada pela condição social e que a educação poderia solucionar isso (o próprio governo, defensor dessa ideia, se autocontradiz ao proclamar que tirou milhões da miséria e melhorou a educação enquanto a criminalidade não pára de aumentar).

      Quanto aos vídeos do terceiro, os contrário à redução continuam a repetir furadas do tipo "com mais violência não se resolve violência" (prender é necessariamente uma violência? E se tentarem matá-lo, ele vai dar uma flor ao bandido?), "quem vai sofrer são jovens da periferia e negros" (outra tática da esquerda: colocar todo pobre e negro como potencialmente bandido e reduzir os criminosos à meros "pretos e pobres". Isso é uma afronta racista!), "o adolescente que comete violência tá inserido num processo de negação de direitos" (mais uma vez negando que o crime, assim como qualquer outra ação, é uma escolha e não esclarecendo que direitos são esses que quando são negados forçam uma pessoa a estuprar ou matar).

      Excluir
    4. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    5. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    6. Não há discussão reais? Jovem você vive em que mundo, ah certamente você tem uma familia estruturada que fez de você uma boa pessoa, mas é óbvio que o mesmo poderia ter enveredado por caminhos aversos, ai sim, meu caro, é uma questão de escolha, você sim tem Oportunidade de dizer não "a bandidagem", mas o qual infrator que eu me refiro é aquele marginalizado sabe? Que desde de os primeiros passos TUDO é negado.
      Citação de Mateus
      "Não há "acompanhamento social" melhor que uma boa família, mas a sociedade não deve pagar pelos que infelizmente não tem essa condição e, independentemente disso, cometer crimes é uma questão de ESCOLHA, e todos devem pagar por seus atos"

      "A sociedade não pode pagar por isso"? Ai eu fico me perguntando e quem tem que pagar? Certamente o menino que desde seus primeiros anos vem sendo "estuprado" pela própria sociedade que nega ate o pão imagine a tentativa de ressocialização! Nós todos somos frutos de um sistema extremamente fracassado no qual não existe culpado e sim culpados

      Acho tocante quando alguém fala de Escolha em uma "sociedade igualitária" como a nossa. Mais história do brasil, Por favor!! e outra eu fui perguntada sobre : leis mais severas diminuem a criminalidade? A minha opinião ta no áudio e tenho certeza que está muito clara a resposta.
      Obs: meu texto n tenho cunho político, sou só humanista.
      Sem mais delongas.

      Excluir
    7. É isso mesmo? Você está colocando a culpa da criminalidade na sociedade? Não entendi as aspas em "a bandidagem", quem mata, rouba ou estupra não é bandido? O que é negado? O que nós temos de dar ao pobre bandido para que ele não nos mate ou estupre (de forma forçada é claro, já que não se escolhe matar ou estuprar alguém, é tudo culpa nossa)? E que raios de comparação é essa entre um estupro e a sociedade e taxar todos nós de culpados? Então, sou eu ou você que estupramos ou é um estuprador que não é tão criminoso assim? Será ele tão inocente que nem mesmo merece ficar na cadeia, e se ficar, quanto menos melhor? Me dar asco ver crimes tão vis sendo "humanizados" dessa forma!

      Você quer mais história do Brasil? Tá precisando mesmo. Bom, te digo só uma coisa: o Brasil já foi bem menos violento, quando era muito mais pobre... E sim, sua opinião está bem clara no áudio, e errada! E sobre o "sou só humanista", não sei se sabe, mas humanismo é uma forma de idolatria, pois que coloca o Homem como medida de todas as coisas, como princípio e fim de tudo, fazendo do Homem um deus. Além de que sua afirmação de que o texto não tem cunho político é auto-contraditória, pois o humanismo nada mais é que uma religião política (e base para o socialismo).

      Excluir
    8. Amigos, acabei de assistir este vídeo do Pe. Paulo Ricardo sobre o tema, que o aborda de uma forma muito mais abrangente e de um ponto de vista cristão, acredito ser a melhor visão sobre o porblema não só da segurança, mas da educação e da sociedade como um todo: https://padrepauloricardo.org/episodios/reducao-da-maioridade-penal

      Excluir
  3. Para complementar deixo esta interessante entrevista com o psiquiatra inglês Anthony Daniels, que analisou o sistema prisional inglês por anos: http://lucianoayan.com/2011/12/25/anthony-daniels-falando-a-verdade-que-os-esquerdistas-odeiam-ouvir/

    Trechos importantes: "A prisão não é uma instituição terapêutica. Sua função principal é prevenir crimes que um condenado poderia cometer se estivesse solto. Há também evidências de que, quanto mais tempo uma pessoa fica na cadeia, menor a probabilidade de voltar à bandidagem depois de ser libertada."

    "O pensamento intelectual dominante procura explicar o comportamento das pessoas como uma conseqüência de seu passado, de suas circunstâncias psicológicas e de suas condições econômicas. Infelizmente, essas teses são absorvidas pela população de todos os estratos sociais. Quando trabalhava como médico em prisões inglesas, com freqüência ouvia detentos sem uma boa educação formal repetindo teorias sociológicas e psicológicas difundidas pelas universidades. Com isso, não apenas se sentiam menos culpados por seus atos criminosos, como de fato eram tratados dessa maneira. Trata-se de uma situação muito conveniente para os bandidos, pois permite manter a consciência tranqüila. Podem dizer que roubam porque não tiveram oportunidades de estudo, porque nasceram na pobreza ou porque sofreram algum trauma de infância, entre outras desculpas. “Enquanto a sociedade não mudar, não se pode esperar que eu me comporte de outra forma”, tal é o discurso corrente entre os presos. [...] Apenas estavam repetindo urna tese produzida por arrogantes intelectuais de classe média que desconsideravam o fato de os bandidos serem capazes de escolher entre o certo e o errado independentemente de fatores externos. Negar sua capacidade de discernimento é O mesmo que diminuir sua humanidade."

    "Penas longas são mais eficientes? Sim. Na Inglaterra, por exemplo, temos penas muito brandas e poucos detentos. Isso não é bom. A polícia inglesa, muito incompetente, prende apenas um em cada doze assaltantes de casas. Destes, um em cada treze recebe pena de prisão. Isso significa que apenas um em cada 156 assaltantes cumpre pena em presídio. A média para esse tipo de crime é de um ano de cadeia. Na Inglaterra, isso significa que o bandido é solto em apenas seis meses. Com uma punição tão leve, a pergunta não é por que ocorrem tantos assaltos, mas por que há tão poucos. Meu país deixou de ser uma sociedade ordeira para se tornar uma das mais afetadas pela criminalidade, quando comparada a outras da Europa. O número de presos caiu em proporção ao de crimes. Em 1900, para cada 6,5 crimes registrados, havia um detento. Em 2000, eram 114 crimes para cada preso. Claro que penas curtas são melhores do que nada. Um bandido reincidente comete, em média, 140 crimes por ano. Ou seja, se ele for mantido na prisão por seis meses, setenta crimes serão evitados, o que também é bom. Um dos argumentos contra as penas de prisão é que a maioria dos detentos é pobre, e que isso é injusto. Ocorre que a maior parte de suas vítimas também é pobre. E, como o número de vítimas é sempre muito maior do que o de bandidos, prendê-los não é uma punição aos pobres, mas um benefício a eles."

    Ass: Mateus Barbosa. Pena que não posso ir hoje :p

    ResponderExcluir
  4. O problema vai mais além que benfeitorias no sistema prisional, se pararmos de remendar os problemas e passarmos a resolve-los definitivamente haverá melhoras significativas !! Se encarcerar fosse solução, acredito eu que todos que são presos sairiam ressocializados . Então na minha humilde opinião e entendimento, os questionamentos acerca deste problema estão com direcionamento errado, mais uma vez os nossos representantes com suas ineficiências para resolução de conflitos e a sociedade acorrentada a questões ultrapassados.

    Victoria Góes

    ResponderExcluir